01/08/12

INTEGRA DO DISCURSO DE ABERTURA DA CAMPANHA


 ABEL CHIVUKUVUKU


Abel Chivukuvuku, durante a intervenção de abertura da campanha ...

Excelentíssimo Senhor Almirante André Gaspar Mendes de Carvalho, « MIAU », Candidato a Vice – Presidente da República pela   Convergência Ampla de Salvação de Angola – CASA – CE.

Excelentíssima Senhora e Senhores Vice – Presidentes da CASA – CE.

Meus Digníssimos Companheiros, Dirigentes, Membros e Amigos desta nossa CASA comum que tanto nos orgulha.


Estimados Convidados;


Digníssimos Jornalistas;


Minhas Senhoras, Meus Senhores.
 


MISSÃO HISTÓRICA, GRANDIOSA, EMBORA DESIGUAL...


Em nome  da CASA -CE, e  em meu nome pessoal, saúdo fraternalmente  todos os presentes  a este magno  evento, que assinala a abertura   formal e oficial da campanha eleitoral da CASA – CE,  para as eleições gerais de 31 de Agosto de 2012. O meu agradecimento a todos os convidados que aceitaram prestigiar o nosso evento com a sua presença. Faço um relevo particular  aos representantes do corpo diplomático aqui presentes. Muito obrigado.

Estamos aqui a dar o mote de largada, a ordem  de comando,  para esta missão histórica,  grandiosa, embora desigual,  em relação ao nosso adversário, o Partido no poder e o seu candidato. Como é do conhecimento público, o regime tem utilizado ilegal e abusivamente, e sem nenhum pudor,  todos os recursos do estado, recursos esses que são de todos os angolanos, incluindo a vergonhosa manipulação dos órgãos de comunicação social  públicos, particularmente  a TPA.



A CORRUPÇÃO É ASSUMIDA PELOS GOVERNANTES

Interessantemente, os  mais altos dignitários do regime  publicamente apelidados de corruptos, assumiram agora ao mais alto nível, que afinal,  também  são os principais corruptores e promotores da corrupção em Angola. Com um mandato de 4 anos no poder, só nas vésperas das eleições é que  descobriram  e criaram os chamados balcões do empreendedor, os  ditos BUES,  criados para aliciar a juventude e outros segmentos vulneráveis da população. É lamentável  confirmar,  que o partido no poder,  é hoje o maior agente da destruição dos valores éticos e cívicos e de honestidade em Angola. 


Meus companheiros, Excelências,

Face a eminência do desastre eleitoral,  que não conseguirão evitar, o candidato José Eduardo dos Santos, recentemente  ordenou  a sua maquina partidária,  para publicamente orquestrarem uma distribuição  massiva de viaturas aos mais variados segmentos do eleitorado, incluindo a função pública, as forças castrenses, o clero de varias confissões religiosas cristãs e tantos outros.  Viaturas cujo valor não consta de nenhuma rubrica do orçamento geral do Estado.  Tentativa ilegal e imoral, de compra descarada do voto.

Companheiros,

Na falta de credibilidade moral e ausência  de uma visão positiva sobre a Angola a construir, tentam desesperadamente corromper as mentes das forças vivas da Nação.  Será  que quem assim se comporta  merece o voto consciente do cidadão? Será que quem reconhece perante os factos que é corrupto e não nega perante as evidencias que é corruptor, merece continuar a governar o nosso País?  Este é o momento das grandes opções e  cada cidadão deve  julgar todos estes factos, na hora do voto.


Caros Concidadãos,

Em todos os tempos, épocas e circunstancias, os regimes totalitários, ditatoriais e autoritários, como o que temos aqui em Angola, nunca tiveram a premonição e capacidade de entenderem os sinais dos tempos, e perceber que mesmo as  massas populares supostamente amorfas e fatalistas, por  mais amordaçadas que estejam,  têm alto poder de discernimento e  capacidade de definição do seu interesse. Que ninguém duvide. Desta vez, assim será neste nosso belo País.

 Por Angola e pelos angolanos, nós membros e amigos da CASA – CE,  reafirmamos o nosso compromisso solene   de tudo fazer para que a mudança positiva, ordeira e responsável a tanto almejadas,  passem de sonho a realidade palpável neste histórico ano.


Angolanas, Angolanos,

O Senhor, Pai Celestial, proveu o território de  Angola,  de lés a lés, com todas as riquezas imagináveis, para que os seus  residentes  pudessem usufruir delas  e viverem realizados e com dignidade, de geração em geração. Contrariamente a este desígnio, alguns  seres humanos, ao longo dos tempos, foram tudo fazendo para que a maioria dos angolanos não beneficiasse dessa dádiva. O cidadão José Eduardo dos Santos, hoje candidato    a  Presidência da República, cargo  que já exerce há 32 anos, sem nunca ter sido para tal eleito, faz parte dos que têm inviabilizado a realização política, social e cultural da maioria dos angolanos, reservando o acesso as essas riquezas que DEUS doou para todos, a um punhado de cidadãos,  seus próximos.  Assim, o que devia ser de todos, passou a ser de uns poucos.



A POBREZA, NUM PAÍS AGRACIADO DE RIQUEZAS POR 

DEUS... COMO RAZÃO PARA CRIAÇÃO DA CASA-CE

Angolanas, Angolanos,

Volvidos cerca de 37 anos apôs a proclamação da independência nacional; volvidos 21 anos desde o advento do pluralismo politico;  e volvidos 10 anos desde o alcance da Paz, Angola continua a ser um País potencialmente rico, mas habitado por  uma maioria de cidadãos  pobres. De facto, apesar de toda essa riqueza potencial, ainda hoje, cerca de 65% da população angolana vive na pobreza absoluta.

Apesar de termos uma imensidão de rios e fontes energéticas diversificadas, o actual governo é simplesmente incapaz de utilizar esses recursos e providenciar água e energia para a maioria  dos cidadãos.  Apesar de termos sido abençoados com solos aráveis em quase toda a extensão do território, o actual governo não tem,  nem vontade política, nem capacidade de estruturar, um sistema produtivo a altura de garantir a segurança alimentar nacional, refugiando-se como já é regra, na contínua importação de alimentos.   


Apesar de termos fontes inesgotáveis  de matéria prima para a produção de materiais de construção, os angolanos continuam a viver em condições habitacionais precárias e sem saneamento básico adequado, enquanto as ditas novas centralidades estão ás moscas, porque foram concebidas como negócio para os detentores do poder.

Estas e outras, foram algumas das razões que levaram a criação da CASA – CE, a terceira via,  como instrumento de todos angolanos para dinamizar e protagonizar a mudança positiva e responsável por todos almejada.


A CASA COMO INSTRUMENTO DE MUDANÇA ...


A sala durante a comunicação do Presidente da CASA-CE
Meus Concidadãos,

 Eis aqui a CASA. O vosso instrumento para a verdadeira viragem que o nosso País deve protagonizar.


Viragem, para uma atitude e postura  credíveis de luta contra a  corrupção,   contra os desvios do erário público e contra o nepotismo.  
   
Viragem, para a responsabilização, a todos os níveis da vida pública nacional  para o fim da impunidade.

Viragem,  para um futuro de efectiva reconciliação, irmandade, diversidade na unidade e solidariedade activa.

Viragem, para uma governação visionária, moderna, competente, humanizada e honesta, onde a qualidade de vida do  cidadão angolano  seja o factor de avaliação do progresso e do desenvolvimento.




VIRAGEM!

Viragem, é a proposta que a CASA  coloca perante  aos angolanos, como compromisso nacional  a materializar nas eleições deste ano. É  a mudança que a CASA propõe   para  terminarmos,  serena, pacífica e ordeiramente, os 32 anos de poder ininterrupto e nunca eleito.  O actual Presidente da República,  que respeitamos, já cumpriu o seu papel. Chegou a hora de passar o leme. Saber sair no momento apropriado, com elevação e dignidade, nunca  será  uma fraqueza mas sim uma virtude.



Façamos do dia 31de Agosto de  2012,  um  novo marco histórico de Angola, a juntar aos outros, como  o 11 de Novembro de 1975, data da proclamação da independência nacional; o dia 31 de Maio de 1991, que representou o advento do pluralismo político e da democracia, assim como o dia 4 de Abril de 2002, que representou o renascer de Angola com a Paz arduamente alcançada.


MUDANÇA RESPONSÁVEL... SEM RIVANCHISMO... TUDO 

DEPENDE DE NÓS ...

Meus Concidadãos,


Estamos hoje  aqui,    impregnados de uma esperança renascida,   sentido de missão, mas sobretudo com muita convicção, de sermos todos artífices da mudança que vai ocorrer em Angola.  É uma responsabilidade que recai sobre todos nós, neste momento impar da nossa história.   É dever de todos os angolanos, participar, cada um a sua maneira, mas com responsabilidade assumida, neste grandioso e sagrado esforço nacional para a mudança, de forma positiva, responsável, tranquila e sem revanchismos. Ninguém  fará a mudança em  nosso lugar ou em nosso nome.  Só nós próprios a poderemos realizar.


 Partamos para  esta  campanha eleitoral,  com a certeza inabalável  de que Angola terá neste ano de 2012 um novo governo. Governo de natureza patriótica,  que resultará da livre escolha dos angolanos nas eleições que se aproximam.


Tudo depende da qualidade da nossa prestação política que tem que corresponder  ás actuais expectativas do cidadão eleitor. Um   governo a formar pela CASA,  em Setembro,  teria como critério básico a  cidadania, a competência e a honestidade.   Isto é, um governo do povo, pelo povo e para o povo.




Estamos animados, mas o desalento não deve tomar 

conta de nós nas horas difíceis...

Angolanas e angolanos. Filhos desta terra angolana.


As convicções, as certezas, as esperanças e a fé que nos animam neste momento, terão que ser  tornadas  realidade pelo trabalho enérgico que vamos desenvolver a partir deste momento.  Pelo empenho e dedicação de cada um de nós. Pelo espírito e a mais valia que representam  o trabalho colectivo, associado a adopção do principio da responsabilidade individual e colectiva.

Nesta caminhada,  a nossa CASA comum é de facto a esperança da maioria dos angolanos, mas que ninguém se deixe iludir ou levar pela euforia fugaz do sucesso  momentâneo, mesmo se merecido.

Mas também, ninguém deve sucumbir á frustração ou  ao desalento das horas  difíceis, que obviamente nos esperam.

O sentimento do dever para com o nosso País e para com os nossos concidadãos, seja a  âncora, a base da nossa sustentação e a razão da nossa  fé inquebrantável.

O tempo que temos pela frente, para tão árdua tarefa é curto, é só um mês. Mas, a nós, não nos deve preocupar o tempo que temos disponível,  mas sim o que fazemos com ele. O tempo vale por aquilo que se faz com o tempo. Se o utilizarmos judiciosamente, se cada momento for valorizado com acções concretas, bem executadas, com  balanços realistas, então, teremos tempo para transformar as nossas convicções em realidade e o futuro estará ao nosso alcance. Porque, com DEUS,  tudo podemos.  


ARREGAÇAI AS MANGAS... OS HOMENS TIREM AS 

GRAVATAS... MINHAS IRMÃS, DESÇAM DOS SALTOS ALTOS...

Minhas Senhoras e meus Senhores,    


É só um mês. Chegou a hora, meus concidadãos. Levantai-vos. Ide ao encontro dos nossos concidadãos e levai a mensagem. A mensagem sobre a mudança positiva e responsável, que temos de realizar  neste ano de 2012.

Chegou a hora, companheiros. Arregaçai as mangas e ide, porta  a porta como temos feito, ao encontro da juventude;   das mamas;  das zungueiras; dos camponeses;  dos funcionários públicos;  dos militares; ide ao encontro dos policias; ide ao encontro dos agentes económicos e dos empresários e levai a boa nova de um futuro de justiça, de igualdade de oportunidades, de progresso e de liberdade, apelando - os que votem na CASA nas próximas eleições. Votem no  9.

Caríssimas irmãs, caríssimos irmãos.  Chegou a hora! Desçam dos   saltos altos e tirem as gravatas.  Ide ao encontro dos desalentados;  dos desesperados;  dos entristecidos;
ide ao encontro dos empobrecidos; ide ao encontro dos carenciados, que no conjunto, são a maioria deste povo que sofre sem emprego, sem água, sem energia, sem educação,  sem saúde,   sem saneamento básico, para não falar de todo o resto que tanta falta faz.

Angolanas e angolanos,

Chegou a hora. Decididamente avançai, ao encontro dos actuais governantes e dos poderosos.  Para eles,  levai a boa nova. Uma palavra. Um compromisso com garantias de um futuro tranquilo e de irmandade. Para todos nós só o futuro deve contar.

O futuro positivo que a CASA propõe a todos os angolanos,  está alicerçado na compreensão, no perdão, na irmandade, e numa vivência de previsibilidade e tranquilidade.


Minhas Senhoras e Meus Senhores,

Tenho  muita     que as angolanas e os angolanos anónimos,  pelo país adentro, serão parte significativa dos  mensageiros da boa nova que a nossa CASA comum representa para o futuro do nosso país.

Iniciamos hoje a campanha eleitoral em todo o País. Que  esta campanha seja para todos os angolanos um momento de alegria, de festa, de debate contraditório e de argumentação competitiva. Na qualidade de Presidente da CASA,  ordeno a todos ao membros, activistas e amigos da nossa CASA, a pautarem pelo estrito respeito das regras e princípios democráticos e agirem  sempre, dentro dos marcos de um comportamento cívico exemplar. Tenho clara noção de que uma campanha eleitoral envolve sempre alguma tensão, alguma contrariedade e alguns dissabores. No entanto, tenho também confiança nos membros, activistas e amigos da CASA, que em quatro meses de existência, souberam demonstrar grande maturidade, sentido de estado  e amor a Pátria para continuarem a surpreender positivamente o nosso País, porque somos  um projecto político verdadeiramente novo e diferente.

Exorto a todos os membros, activistas e amigos da CASA,  que disputem activamente e conquistem a confiança do cidadão, mas  tudo seja feito numa perspectiva de fraternidade, irmandade e de defesa do bem comum, que é a nossa Angola.

Companheiros,

CHIVUKUVUKU DESAFIA DOS SANTOS PARA DEBATE 

PÚBLICO...
Nas campanhas eleitorais, os cidadãos precisam de tomar conhecimento da visão, dos programas e da credibilidade dos candidatos aos vários cargos, para que as opções sejam tomadas em consciência e com conhecimento de causa.  Nas democracias modernas  e maduras, um dos veículos para esse esclarecimento aos cidadãos são os debates televisivos e radiofónicos directos entre os candidatos.
 Assim, com o devido respeito e consideração, convido o candidato José Eduardo dos Santos a debatermos publicamente, abertamente, olhos nos olhos,  as diferentes visões e programas que cada um de nós tem para Angola, e assim contribuirmos positivamente para o fortalecimento da nossa democracia. Apelo aos órgãos de comunicação social públicos, para  assumirem um  papel patriótico e histórico, estruturando e organizando estes debates entre os candidatos a Presidente da República e entre os candidatos a Vice – Presidente da República. Certamente, sairia Angola a ganhar, e teríamos dado um passo exemplar para o fortalecimento da democracia angolana.  


Meus concidadãos,

As eleições serão já amanhã.  31 de Agosto  já é amanhã.  Não há tempo a perder.  Não há energias a desperdiçar. O trabalho será árduo mas o resultado será gratificante. Votem na CASA – CE. Votem – 9.
Votem na mudança positiva e responsável.


TUDO POR ANGOLA   … UMA ANGOLA PARA TODOS

O DIA CHEGOU E A AURORA VAI  RAIAR

A HORA DE ANGOLA CHEGOU     

QUE DEUS ABENÇÔE ANGOLA, E TODOS OS ANGOLANOS.

Pormenor duma das ruas de Luanda, nas Ingombotas, defronte ao cine Tropical ... local da actividade política ...

3 comentários: